Aviação da Marinha: origem, como se tornar um piloto, salários e mais!

Aviação da Marinha: origem, como se tornar um piloto, salários e mais!

Você tem o sonho de ingressar na Marinha do Brasil? Então conheça a aviação da Marinha, quais as aeronaves que a força naval opera e muito mais, nesse artigo que o Estratégia Militares preparou para você!

Historicamente a Marinha é a mais antiga das três forças armadas brasileiras por ter sido criada como Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha e Domínios Ultramarinos, por D. João V em 28 de julho de 1736.

O Brasil passou a de fato possuir uma força naval após a independência de Portugal. A Marinha do Brasil era composta por embarcações, pessoal, organizações e doutrinas herdadas dos portugueses.

Inscreva-se em nossa newsletter!

Receba notícias sobre os mais importantes concursos para as Forças Armadas brasileiras e informações sobre o mundo militar!

Origem da aviação naval

As operações aéreas na Marinha se iniciaram em 23 de agosto de 1916 com a criação da Escola de Aviação Naval, pelo decreto assinado pelo Presidente Wenceslau Braz. A Escola se instalou inicialmente no antigo Arsenal de Marinha, foi transferida para a Ilha das Enxadas e para a ponta do Galeão, posteriormente. 

Na chamada primeira fase da Aviação Naval – período entre 1916 e 1941 – aconteceram fatos marcantes para a aviação brasileira, como o transporte da primeira mala aérea civil e militar – fatos que foram fundamentais para a criação do Correio Aéreo Nacional (CAN). Além disso, foi nas asas da Marinha que Alberto Santos Dumont realizou seu primeiro voo como passageiro em uma aeronave militar brasileira.

Outro fato marcante para a história da aviação naval foi a participação de aviadores navais brasileiros em operações reais de patrulha durante a Primeira Guerra Mundial, integrando o 10° Grupo de Operações de Guerra da Royal Air Force (RAF).

Em 1941, a aviação naval foi extinta devido a criação do Ministério da Aeronáutica, no qual foi concentrado todos os componentes aéreos militares do Brasil. No ano de 1952, a Lei nº1658 criou a Diretoria de Aeronáutica da Marinha, na reestruturação que ocorreu nas forças armadas. Porém a organização realizava apenas serviços administrativos na força naval.

No ano de 1958, a Marinha recebeu suas primeiras aeronaves e em 1961, com a compra do Navio Aeródromo Ligeiro “Minas Gerais” pelo Presidente Juscelino Kubitschek, foi de fato criado o Comando da Força Aérea Naval, sendo sediado no navio “Minas Gerais”. 

O período entre a criação do Comando, em 1961, até a restrição de operações às aeronaves de asas rotativas pelo Presidente da República no ano de 1965, foi denominado como segunda fase da história da aviação naval.

A chamada terceira fase ocorreu entre 1965 e 1998, no qual a Marinha do Brasil era uma das poucas forças militares no mundo que operava com helicópteros embarcados, estendendo suas operações em períodos noturnos.

A partir da assinatura do Decreto Presidencial nº2538, em abril de 1998, deu-se início à quarta fase da Aviação Naval. Nesse momento foi autorizado à Marinha operar aeronaves de asa fixa – os caças.

Aviação de caça da marinha

Qual avião de caça a Marinha opera?

Atualmente, a Marinha opera o McDonnell Douglas A-4 Skyhawk, batizado na força como AF-1 e AF-1A. Na época, foram adquiridas 23 aeronaves do governo do Kuwait, chegando ao Brasil em setembro de 1998. 

As aeronaves foram sediadas na Base Aeronaval de São Pedro da Aldeia e eram empregadas na defesa aérea de forças navais. Pouco tempo após a ativação das aeronaves, elas foram embarcadas no Navio-Aeródromo “Minas Gerais” – desativado em outubro de 2001 – e no Navio-Aeródromo “São Paulo” – desativado em novembro de 2018.

No ano de 2009, o Comando de Aviação Naval e a Embraer assinaram um acordo de modernização de nove aeronaves AF-1 e três AF-1A.

Qual a diferença entre os caças AF-1 e o AF-1A da Marinha do Brasil?

A diferença entre as aeronaves se deve a quantidade de tripulantes. Enquanto o AF-1 é um caça monoposto – ou seja, possui somente o assento do piloto – o AF-1A é um caça biposto – tripulado por duas pessoas.

Quais helicópteros a Marinha opera?

Os helicópteros operados pela Marinha, além dos exercícios militares que realizam nas forças distritais ou com os fuzileiros navais, também participam de comissões hidrográficas em navios da Diretoria de Hidrografia e Navegação.

Participam, também, nas operações antárticas e em diversas missões de apoio, de caráter humanitário, de busca e salvamento, de transporte em programas sociais do governo federal e de assistência hospitalar às comunidades ribeirinhas.

Atualmente, a Marinha opera os seguintes helicópteros:

  • UH 14 – Super Puma;
  • UH 15 – Super Cougar;
  • SH-16 – Seahawk;
  • UH-17 – Bi-Turbina;
  • AH-11A Super Lynx;
  • UH-12/13 – Esquilo; e
  • IH-6B Bell Jet Ranger.

Cada um dos helicópteros da força naval possui uma missão e são adequados para determinados tipos de eventos. A seguir você verá alguns destaques.

UH 14 – Super Puma

Desde 1987 a Marinha opera o  Eurocopter AS-332. Com capacidade para até 14 tripulantes e cerca de quatro toneladas de carga útil, os exemplares, dentre suas muitas missões, foram utilizados na evacuação das vítimas das enchentes no estado do Espírito Santo em 28 de dezembro de 2013, dentre outras missões.

UH 15 – Super Cougar

O Eurocopter EC 725 Caracal também chamado de Super Cougar é um helicóptero de transporte de longo alcance, oriundo do AS-332. O UH-15 foi desenvolvido pela brasileira Helibras em parceria com a francesa Eurocopter.

A aeronave tem capacidade de transportar até 29 militares sentados e pode decolar com até 11.200kg de peso máximo. Também pode chegar aos 324 km/h e tem o alcance de 857 km.

SH-16 – Seahawk

O Sikorsky SH-3 Sea King foi o primeiro helicóptero naval genuinamente concebido e projetado para operar embarcado, capaz de realizar as seguintes missões:

  • Guerra anti-submarino;
  • Guerra anti-superfície;
  • Inserção de Forças Especiais navais;
  • Busca e Salvamento (SAR);
  • Busca e Salvamento de Combate (CSAR);
  • Ressuprimento vertical; e
  • Evacuação médica.

O SH-16 conta com avanços tecnológicos e poder de combate até então inéditos na Aviação Naval brasileira, tornando-se o helicóptero naval mais bem equipado da América do Sul, podendo ser operado a partir da Base AeroNaval de São Pedro da Aldeia (BAeNSPA)

UH-17 – Bi-Turbina

O UH-17 é fabricado pela Airbus e foi incorporado à Marinha para substituir o UH-13 Esquilo. Os helicópteros são importados da Europa e são adaptados para a Marinha na Helibras, localizada na cidade de Itajubá (MG).

O UH-17 é capaz de realizar voos de reconhecimento, transporte de pessoal, busca e salvamento, transporte aeromédico ou transporte de cargas.

O UH-17 é operado pelo 1º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral e fica baseado na cidade de São Pedro da Aldeia. A aeronave também é empregada nas operações “Antártida”, sendo no ano de 2020, a primeira vez em que ele foi utilizado no continente gelado.

Como se tornar um piloto de caça da Marinha?

Se você tem o sonho de ser aviador na Marinha, primeiramente é necessário ser oficial da Marinha de algum dos quadros de carreira – Corpo da Armada ou Fuzileiro Naval. Para isso você pode ingressar na Marinha por meio da Escola Naval ou pelos concursos voltados para os candidatos que possuem nível superior.

Para se tornar piloto, o oficial deve possuir o diploma do Curso de Aperfeiçoamento em Aviação para Oficiais (CAAVO). Esse curso é ministrado no Centro de Instrução e Adestramento Aeronaval Almirante José Maria do Amaral Oliveira, escola localizada na Base Aeronaval de São Pedro da Aldeia (RJ).

No CIAAN, o aluno é submetido a uma rigorosa bateria de exames médicos e psicotécnicos, que são classificatórios aos candidatos. 

Após a aprovação nos exames, o aluno é encaminhado para iniciar o Estágio Básico de Asa Rotativa (EBAR), onde terá instruções teóricas e práticas de pilotagem nos helicópteros da organização militar.

Após o estágio básico, os alunos são encaminhados para a Academia da Força Aérea (AFA), no 2º Esquadrão de Instrução Aérea (2º EIA), onde é feita uma seleção onde os quatro melhores alunos são destinados a receberem instruções para operação de caças em porta-aviões.

Os alunos que não são encaminhados para a AFA, retornam para a Base de São Pedro da Aldeia e ingressam no 1º Esquadrão de Helicópteros de Instrução, onde recebem instruções práticas de voo e ao final são encaminhados para algum Esquadrão de Helicópteros da Marinha, no Brasil.

Quanto ganha um Piloto na Marinha do Brasil?

O salário dos militares é chamado de soldo, que é regulamentado pelas leis do país e a consulta é acessível a toda a população.

Atualmente, o soldo-base do oficial recém formado na Escola Naval é de aproximadamente R$7.000,00, mais os adicionais pelas funções desempenhadas pelo militar. No caso dos aviadores, os valores brutos variam entre R$9.000,00 e R$20.000,00. Você pode acessar a tabela dos soldos militares aqui.

Agora que você sabe sobre as aeronaves da Marinha acesse os nossos cursos e se prepare para ingressar na força naval com o Estratégia Militares. Clique no banner abaixo e saia na frente, rumo a sua aprovação! Vem ser Coruja! 

EM BANNER PORTAL

Veja também:

Referências

Você pode gostar também