Bell H1-H da FAB: saiba mais sobre o Huey, símbolo da Guerra do Vietnã

Bell H1-H da FAB: saiba mais sobre o Huey, símbolo da Guerra do Vietnã

O Bell H1-H é um dos helicópteros que marcaram a aviação mundial. Você sabia que a FAB já operou algumas dessas aeronaves, que participaram da Guerra do Vietnã? Se você tem o sonho de ingressar na Aeronáutica, confira esse artigo que o Estratégia Militares preparou com essa história incrível!

O que o jipe ​​foi para os americanos durante a Segunda Guerra Mundial, o Huey – designação do H1-H – também foi para aqueles que lutaram no Vietnã. Todos os ramos das forças armadas dos EUA os operavam e eles se espalhavam por todos os cantos do Vietnã do Sul, Camboja e Laos.

Adequado para as missões de mobilidade aérea e evacuação médica no Vietnã, o Huey tornou-se um símbolo indelével desse conflito. Por um tempo, foi uma das aeronaves mais conhecidas da história. 

As pessoas sabiam não apenas de vista, mas também pelo som. Eles geralmente ouviam o inconfundível som da pá do rotor principal muito antes de verem um Huey.

História do Bell H1-H

O conceito dessa aeronave surgiu dos campos de batalha frios e lamacentos da Guerra da Coréia, onde o helicóptero original, o Bell 47, recuperou milhares de soldados feridos e os entregou diretamente às unidades de cuidados intensivos. 

Em 1954, o Exército dos EUA lançou um concurso de projeto para um novo helicóptero de evacuação médica. As especificações do Exército pediam uma aeronave que:

  • pesasse 3.600 kg, totalmente carregada;
  • pudesse transpor uma carga útil de 360 ​​kg, a uma distância de pelo menos 365 quilômetros, 
  • fosse capaz de navegar a 184 km/h; e 
  • pudesse subir a um teto de serviço de 1.824 m (6.000 pés).

A Bell Helicopter Corporation desfrutou de várias vantagens ao concorrer a esse contrato devido à sua experiência anterior, na Guerra das Coréias. 

O motor de turbina, desenvolvido pela Bell, representou um passo revolucionário na projeção de helicópteros, e o Exército norte-americano o viu como um componente crítico no novo projeto do helicóptero de evacuação médica. Comparado ao motor de pistão alternativo, a turbina era mais leve, mais suave, mais fácil de manter e muito mais confiável.

Bell H1-H FAB
Divulgação: Sgt Johnson / FAB

Os testes de voo não revelaram problemas significativos com os protótipos e a produção começou em setembro de 1958, quando o primeiro dos 182 modelos 204 saiu da linha de montagem. 

A nova aeronave foi designada HU-1A (daí o apelido de ‘Huey’) e oficialmente batizada de Iroquois, de acordo com a tradição do Exército dos EUA de batizar helicópteros com nomes de tribos indígenas americanas. Em 1962, o sistema de designação de aeronaves do Exército mudou e o HU-1 tornou-se o UH-1, mas o apelido Huey permaneceu.

O Bell H1-H na Guerra do Vietnã

Em 1960, representantes da Bell Helicopter se reuniram com o general do Exército dos EUA, Hamilton Howze. O general estava promovendo a ideia de mover a infantaria do Exército pelo campo de batalha, no Vietnã, usando helicópteros ao invés de caminhões. 

Foi no Vietnã que os soldados do Exército e da Marinha testaram pela primeira vez as novas táticas de guerra aeromóvel. Em uma missão típica de assalto aéreo, os helicópteros Huey inseriram a infantaria nas profundezas do território inimigo. 

Os Huey, equipados com metralhadoras, foguetes e lançadores de granadas, muitas vezes escoltavam os transportes. 

A aeronava tornou-se um símbolo das forças de combate dos EUA no Vietnã e milhões de pessoas em todo o mundo o viram voar em reportagens de TV. Em seu auge em março de 1970, os militares dos EUA operaram mais de 3.900 helicópteros na Guerra do Vietnã e dois terços deles eram Hueys. 

Seu impacto foi profundo, não apenas nas novas táticas e estratégias das operações aeromóveis, mas na taxa de sobrevivência no campo de batalha. 

Na Guerra do Vietnã, cerca de 390.000 pessoas feridas foram transportadas pelos helicópteros norte-americanos. Desses, cerca de 120.000 foram transportados pelo H1-H diretamente para instalações médicas.

Durante a Segunda Guerra Mundial, 29% de todos os soldados americanos feridos morreram por falta de atendimento médico. Os avanços na tecnologia médica e o helicóptero de evacuação médica reduziram esse número para 26% durante a Guerra na Coréia. No Vietnã, a porcentagem de soldados que morreram de ferimentos sofridos em combate caiu para 19%. 

O tempo médio entre a ferida de campo e a hospitalização foi inferior a uma hora. Durante as guerras da Coréia e da Segunda Guerra Mundial, esse tempo foi medido principalmente em dias, não em horas. A utilização de helicópteros aumentou drasticamente as taxas de sobrevivência na guerra.

O Huey voou cerca de 559 horas nos combates antes de retornar aos EUA em 1973. Entre 1973 e 1996 o Huey serviu a Guarda Nacional do Exército norte-americano, de apoio de tropas do Exército dos EUA e ao Comando de Prontidão de Aviação.

Missão do Bell H-1H na Guerra do Vietnã

A missão principal do Huey era levar a infantaria para o combate, comumente chamados de “assaltos de combate” que envolviam cerca de oito a dez helicópteros, transportando a infantaria, apoiados por duas ou três aeronaves e monitorados por um Huey, de comando e controle, orbitando por cima. 

Durante os assaltos de combate, dependendo da altitude de densidade e da força da aeronave em particular, o UH-1H poderia transportar de 6 a 8 soldados de infantaria americanos ou 10 ou mais vietnamitas (devido ao seu tamanho e peso menores). 

Outras missões incluíam o fornecimento de pessoal de substituição, comida, água, munição e necessidades para unidades de infantaria no campo ou em bases avançadas.

Incorporação do Bell H-1H na FAB

Ele chegou ao Brasil a bordo de um C-130 Hércules em 25 de junho de 1967. Já no dia seguinte, passaram por seu batismo na Força Aérea Brasileira (FAB).

Foi empregado para o resgate das 25 vítimas do acidente com uma aeronave da FAB modelo C-47 de matrícula 2068, no qual apenas cinco pessoas sobreviveram. 

No local, a aeronave cumpriu uma de suas principais funções: ajudar a salvar vidas. Desde então, o helicóptero UH-1 (versões D e H) acumulou centenas de missões ao atuar nas cinco regiões do País e a compor a frota de vários esquadrões de Asas Rotativas da FAB. 

Bell H1-H FAB
Divulgação: Sgt Johnson / FAB

Apelidado de ‘Hagazão’ ou ‘Sapão’, o H-1 acumula em seu currículo participação em resgates históricos e marcantes, dentre eles:

  • Terremoto no Peru, em 1970;
  • O incêndio no Edifício Joelma, em 1974; 
  • As enchentes em Santa Catarina, nos anos 1974, 1982 e 2008; 
  • O resgate das vítimas do Transbrasil 303; 
  • O resgate das vítimas do Varig 254, em 1989; e
  • O resgate das vítimas do Gol 1907, em 2006, 

Operação Serrana no Rio de Janeiro- 2010/2011

O H-1H esteve presente na ajuda humanitária a um dos piores desastres naturais ocorridos no Brasil. No fim do ano de 2010 e início de 2011, a região Serrana do Rio de Janeiro sofreu com fortes chuvas e deslizamentos de terra que tiraram a vida de mais de 900 pessoas e afetaram cerca de 300 mil.

As equipes ficaram sediadas no distrito de Itaipava, onde também foi montado um Hospital de Campanha. De lá, o H-1H e outras aeronaves da FAB partiram em socorro às vítimas. Ao final da Operação Serrana, a FAB contabilizou 120 missões, 47 toneladas de carga e 787 passageiros transportados, incluindo 62 pessoas resgatadas em área de risco. 

Desativação do Bell H-1H da FAB

No dia 22 de outubro de 2018, o FAB 8703, representando todas as aeronaves Bell H-1H, realizou o seu último corte de motor, no qual encerrou os 51 anos de operação pela FAB. A cerimônia de despedida do vetor aéreo ocorreu na ALA 5, em Campo Grande (MS).

Bell H1-H FAB
Divulgação: Sgt Johnson / FAB

No total, já haviam passado pela FAB cerca de 68 Bell H-1H, adquiridos entre os anos de 1967 e 1997. Quando foi desativado, restavam apenas duas aeronaves em condições de serem operadas, o FAB 8684 e o FAB 8703, ambos lotados no Esquadrão Pelicano (2º/10º GAV).

Agora que você sabe sobre o Bell H1-H e a história dele na FAB, clique no banner abaixo e saiba mais sobre nossos cursos preparatórios para as provas de admissão da Aeronáutica. Vem ser coruja!

Você pode gostar também