Taylorismo, Fordismo e Toyotismo: conheça os modelos de produção!

Taylorismo, Fordismo e Toyotismo: conheça os modelos de produção!

A partir do século XX, a ciência e a tecnologia adentraram os portões das fábricas ao redor do mundo a fim de sistematizar o processo de produção, buscando aumentar a produtividade e, consequentemente, o lucro.

O Estratégia Militares trouxe um artigo que apresenta as principais características do Taylorismo, do Toyotismo e do Fordismo, além de abordar quais mudanças práticas ocorreram nas indústrias em que cada modelo de produção foi implementado.

Taylorismo

O norte americano Frederick Winslow Taylor é considerado o pai da administração científica, pois foi o primeiro homem a implementar ideias de sistematização na produção industrial.

Taylor era engenheiro mecânico e desempenhou funções de chefia em algumas fábricas. Nelas, ele começou a observar que o processo de produção era realizado de forma intuitiva por parte dos funcionários, sem nenhuma organização do trabalho pré-definida. 

A partir daí, ele dedicou seu tempo à elaboração de métodos que melhorariam o sistema de produção desorganizado da época. Sua intenção era fazer com que as indústrias conseguissem produzir mais em um menor tempo, aumentando a produtividade.

A princípio, Taylor percebeu que a escolha e o treinamento dos funcionários era algo fundamental. Cada trabalhador deveria ser contratado e treinado para realizar uma única tarefa, levando-o a se tornar um especialista nela e, consequentemente, diminuir suas chances de errar.

Além disso, Taylor também defendia o aumento da remuneração do funcionário e a redução da jornada de trabalho, para que ele se mantivesse sempre motivado e com o máximo de energia possível.

Outro aspecto importante da ideia defendida pelo modelo é que todo o processo deve ser supervisionado por gerentes, criando assim, uma hierarquia no sistema de produção.

Todas as ideias de Taylor encontram-se no livro “Os princípios da administração científica”, publicado em 1911. Nele são descritos os fundamentos básicos para um bom administrador: planejamento, controle, execução e preparo.

Fordismo

O Fordismo foi um modelo de produção muito utilizado nos Estados Unidos a partir da década de 1910. Seu idealizador, Henry Ford, tomou como base o sistema criado por Taylor e fez algumas adaptações para que a produtividade aumentasse ainda mais.

Henry Ford implantou o sistema na sua indústria, a Ford Motor Company. A principal mudança feita por Ford em relação ao modelo Taylorista foi a inserção de esteiras rolantes na linha de montagem de seus automóveis, de forma que os funcionários não precisassem sair das suas posições.

Com isso, o tempo de produção, que no Taylorismo era determinado pelo trabalhador, passou a ser determinado pelas esteiras. 

Outra característica importante do Fordismo foi a produção em massa de uma única mercadoria, que buscava ter o melhor custo benefício possível. No início do século XX, nas indústrias Ford, esse produto era o Ford T preto.

Ele se tornou um sucesso de vendas, sendo comprado, inclusive, pelos operários da Ford, devido ao seu preço acessível. Sua cor era preta, pois essa era a que secava mais rápido, aumentando ainda mais o número de carros produzidos a cada dia. 

A distribuição também era um aspecto de grande importância para Henry Ford. Ele montava seus centros de distribuição em pontos estratégicos, para que sua grande produção chegasse o mais rápido possível às lojas. 

Problemas relacionados ao Fordismo

Com o passar dos anos, a produção em massa se tornou um problema do Fordismo, visto que, em momentos de crise, o consumo não acompanhava a velocidade da produção, o que resultou em grandes estoques nas indústrias da época. 

Modelos de produção

A crise na Europa no momento de reconstrução após a Primeira Guerra Mundial é um bom exemplo para explicar a queda no número de vendas do Ford T na década de 1920. A Europa era o maior importador de produtos norte-americanos e, no momento de dificuldade, não manteve o padrão de importação dos anos anteriores.

Apesar disso, o Fordismo foi considerado um sucesso e, por isso, foi implementado em várias outras indústrias além da Ford, e é utilizado por elas até os dias de hoje.

Toyotismo: o modelo de produção japonês

O Toyotismo surgiu no Japão, na década de 1970. Ele foi idealizado pelo engenheiro Taiichi Ohno e implementado na montadora Toyota. O modelo de produção apresentou uma verdadeira revolução comparado ao Fordismo e ao Taylorismo.

Naquela época, o Japão ainda enfrentava muitas dificuldades econômicas ocasionadas pela Segunda Guerra Mundial. Isso fez com que a indústria se preocupasse muito em diminuir os gastos com aquisição de matéria prima, além de minimizar desperdícios.

O grande diferencial do Toyotismo foi a aplicação do conceito “just in time”, que consiste basicamente em produzir de acordo com a demanda, de forma que as mercadorias não fiquem estocadas.

Além da inserção da robótica e da alta tecnologia nas fábricas, o Toyotismo também deixou o trabalho dos funcionários mais dinâmico, já que eles são preparados para trabalhar em todas as etapas da produção. 

A principal vantagem desse tipo de treinamento é que as falhas passam a ser identificadas em qualquer etapa, não só no final da linha de montagem, como ocorre no Fordismo e no Taylorismo.

A Toyota também se preocupou em observar as necessidades do mercado para produzir modelos com características desejadas pelos clientes do setor automotivo. 

O sistema toyotista foi tão bem sucedido que, em 2007, a Toyota se tornou a maior montadora do mundo.

E aí, Guerreiro? Se você curtiu conhecer mais sobre os modelos de produção e não quer perder mais nenhum conteúdo como esse, nem ficar de fora das principais atualizações relacionadas ao mundo militar, inscreva-se em nossa newsletter!

Inscreva-se em nossa newsletter!

Receba notícias sobre os mais importantes concursos para as Forças Armadas brasileiras e informações sobre o mundo militar!

E, caso você esteja estudando para concursos militares de nível médio e gosta de estudar por questões, não deixe de conhecer o nosso Banco de Questões, plataforma que já conta com mais de 81 mil questões!

Benner CTA EM

Você pode gostar também