Guerra do Paraguai: causas, consequências e muito mais!

Guerra do Paraguai: causas, consequências e muito mais!

A Guerra do Paraguai, também conhecida como Guerra da Tríplice Aliança, é sem dúvida o maior conflito entre países da América Latina. O Estratégia Militares preparou um artigo que te deixará por dentro desse assunto que é importantíssimo não só para a história do nosso país, mas também para o estudo para concursos militares.

Quais foram as causas da Guerra do Paraguai?

A princípio, é importante entender a situação de cada um dos países envolvidos no conflito na década de 1860. 

O Brasil já era uma nação independente de Portugal e tinha como seu líder D. Pedro II. Nosso país era um gigante predominantemente rural, analfabeto e escravocrata. O Exército Brasileiro ainda era bem limitado, o que fica claro no início da guerra. 

O Paraguai era governado pelo ditador Francisco Solano López, uma pessoa extremamente militarizada e que tinha a ideia de tornar seu país uma potência na América Latina. Um dos grandes empecilhos para o Paraguai era não ter saída para o mar, algo fundamental para a circulação de mercadorias e pessoas. 

Para desembocar no Oceano Atlântico, os navios paraguaios precisavam navegar na Bacia do Prata, composta pelos rios Paraná e Uruguai. Por isso, os paraguaios dependiam de uma certa harmonia entre os países da região. 

A livre navegação na bacia também era fundamental para o Brasil, que usava dos rios para se comunicar com o Mato Grosso, já que era bem mais rápido sair do Rio de Janeiro e chegar à região pelo mar do que por terra. 

O Uruguai era governado pelo partido dos Blancos, que possuíam uma parceria importantíssima com Solano López, já que, além de apoiadores do ditador, eles permitiam a livre navegação do Paraguai por suas águas.

A grande questão ocorrida no Uruguai à época foi a ascensão do partido de oposição ao governo – os Colorados – que eram apoiados pelo Brasil. Em 1865, Venâncio Flores, líder do partido Colorado e grande parceiro do presidente argentino, assume a presidência do país, fazendo com que Uruguai, Argentina e Brasil se aproximassem. 

A ascensão de Flores no Uruguai beneficiou o Brasil, principalmente na situação do charque no Rio Grande do Sul, já que eram muitos os conflitos envolvendo uruguaios e gaúchos na região. Para a Argentina, a presidência de Flores beneficia o Comércio de Buenos Aires. 

Vale ressaltar que a tomada de poder por Venâncio Flores se deu após uma intervenção brasileira no país. 

Devido a isso, o Paraguai passou a se sentir ameaçado, já que sua principal rota de saída para o mar poderia estar comprometida. Além disso, Solano López achava que, assim como o Brasil invadiu o Uruguai para estabelecer seus interesses, também poderia fazer o mesmo no Paraguai. 

Inscreva-se em nossa newsletter!

Receba notícias sobre os mais importantes concursos para as Forças Armadas brasileiras e informações sobre o mundo militar!

Qual foi o estopim para a Guerra do Paraguai?

Nesse cenário onde o Paraguai buscava ampliar seus territórios e uma saída estável para o mar e o Uruguai e a Argentina estavam passando por uma consolidação política iniciava-se a Guerra do Paraguai. 

O pontapé inicial foi dado por Solano López, que decidiu afirmar a presença do país na região afrontando o Brasil que, segundo o pensamento do ditador paraguaio, era o responsável pelo desequilíbrio no local.

Em dezembro de 1864, Solano López, junto ao seu exército, invade a província do Mato Grosso. Antes disso, ele já havia sequestrado e matado o presidente do local. Por se tratar de uma região periférica, o governo brasileiro não conseguiu reagir ao ataque e várias famílias da região morreram.

Após declarar Guerra ao Brasil, o Paraguai invade a Argentina, devido ao fato do presidente argentino não ter autorizado a passagem das tropas paraguaias por seu país. Posteriormente, também invade o Uruguai na tentativa de recolocar seus aliados no poder.

Nesse cenário, para reagir ao bem treinado e mais poderoso exército paraguaio, Brasil, Argentina e Uruguai se unem e no dia 1° de maio de 1865 oficializam o que foi chamado de Tríplice Aliança. 

A princípio, ficou acordado que o comandante do Exército da Tríplice Aliança seria o presidente da Argentina, General Bartolomeu Mitre. Ademais, a chefia da esquadra naval dos aliados ficou na responsabilidade do Almirante Tamandaré.  

Os Voluntários da Pátria

Em 1865, o Exército Brasileiro era extremamente limitado. Isso fez com que o governo brasileiro criasse o programa de Voluntários da Pátria. A ideia era de que civis ingressassem como voluntários para a guerra em troca de recompensas. Muitos escravos fugitivos entraram no Exército em busca de sua carta de alforria. 

As principais batalhas da Guerra do Paraguai

A Batalha Naval do Riachuelo

A saída para o mar dos paraguaios foi fechada pela esquadra dos brasileiros, composta por 9 navios de guerra e cerca de 2 mil homens.

Solano López planejou um ataque surpresa à barreira. O Paraguai improvisou 9 navios de guerra e, detendo o efeito surpresa, atacou a esquadra inimiga.  

No início do confronto, o Paraguai levou larga vantagem, pois muitos dos soldados brasileiros estavam dormindo. Contudo, o Almirante Barroso, comandante da esquadra do Brasil, tomou uma decisão que mudou o destino da batalha. 

Ele se aproveitou do fato de que seus navios eram predominantemente de aço e os improvisados do Paraguai não. Com isso, Barroso ordena que suas embarcações naveguem em direção aos frágeis navios inimigos e os destruam.

Guerra do Paraguai
Batalha Naval do Riachuelo, tela de Eduardo de Martino. Fonte: Marinha do Brasil

Foi o que aconteceu. Além da perda de muitos homens, o exército de Solano López sofre diversas perdas materiais.

Após esse confronto, os Aliados reafirmam seu controle da Bacia do Prata e o Paraguai se vê acuado em seu território.

A Batalha do Tuiuti

Em abril de 1866, o Exército dos Aliados dá início à invasão ao território paraguaio, com a intenção de alcançar a fortaleza de Humaitá. Ao chegar no Paraguai, a tropa se instalou em Tuiuti. No mês seguinte, Solano ordena que seu Exército  invada o local. Com isso, é iniciada a Batalha do Tuiuti, o mais importante confronto da Guerra do Paraguai.

Por conhecerem a região e chegarem de surpresa, o Exército paraguaio inicia um massacre. Entretanto, por estar em maior número e contar com uma atuação brilhante do General Osório e Emílio Mallet, o Exército dos Aliados consegue mudar o cenário e se sagrar vitorioso.

A nomeação do Duque de Caxias 

Após a grande vitória na Batalha do Tuiuti, os aliados avançaram rumo à Fortaleza paraguaia de Curupati. Mas devido a um erro do brasileiro Almirante Tamandaré, o Exército Aliado sofreu sua pior derrota na Guerra.

Isso fez com que D. Pedro II nomeasse Luís Alves de Lima e Silva, o então Marquês de Caxias, como chefe das forças brasileiras na guerra. A essa altura, a tropa dos Aliados era predominantemente composta por brasileiros.

Caxias encontra um cenário desanimador. O Exército Brasileiro era composto por soldados totalmente destreinados, a situação higiênica da tropa era precária, as enfermarias estavam lotadas etc. Com isso, Caxias paralisou as operações a fim de organizar seu Exército. 

Com a organização e treinamento promovidos por ele, o Exército Aliado ganha força para chegar à fortaleza de Humaitá e tirar Solano López do poder. No caminho rumo ao local, o Exército Brasileiro colecionou vitórias sobre os paraguaios, o que ficou conhecido como “dezembrada”. Pela sua atuação, Caxias é promovido a Duque por D. Pedro II.

A essa altura as tropas paraguaias já haviam sido exterminadas e Solano López ordenou que colocassem crianças e idosos na linha de frente do Exército. O Duque de Caxias considerava a batalha como ganha e não via necessidade em continuar, já que se tratavam de crianças e alguns homens. 

Após o retorno do Duque de Caxias ao Brasil, D. Pedro II coloca seu genro, o Conde D’ Eu, como líder de seu Exército e o orienta que só encerre a guerra após a morte de Solano López.

No dia 1° de Março de 1870, Solano López foi localizado pelas tropas brasileiras e morto no extremo nordeste do Paraguai. Com isso, chega ao fim a maior batalha envolvendo países da América do Sul.

Quais foram as principais consequências da Guerra do Paraguai?

A Guerra do Paraguai significou um verdadeiro extermínio para a população paraguaia. Além disso, o país perdeu cerca de 40% de seu território.

Para o Brasil, além das baixas na sua população, bem menor em relação à perda paraguaia, a guerra resultou em um grande endividamento do país junto aos bancos ingleses. 

Vale ressaltar que os grandes heróis brasileiros na guerra, também foram os responsáveis pela Proclamação da República anos depois. 

E aí, guerreiro? Se você sonha em ingressar no Exército Brasileiro e o fato de conhecer um dos episódios mais marcantes da história da Força te inspirou, não perca mais tempo e conheça nossos cursos. Clique no banner abaixo e vem ser coruja!

EM BANNER PORTAL

Veja também:

Você pode gostar também