Israel x Hamas: conheça as origens do conflito!

Israel x Hamas: conheça as origens do conflito!

Um novo conflito entre o Estado de Israel e o Hamas eclodiu no sábado do dia 7 de outubro de 2023, após um ataque surpresa do grupo extremista. Como resposta, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, declarou guerra contra o Hamas e revidou com ataques à Faixa de Gaza. A contagem de mortos já passou da casa dos milhares e não há previsão de um cessar-fogo.  

A data do ataque do Hamas coincide com o aniversário de 50 anos da Guerra do Yom Kippur, ocorrida em 1973, outro dos muitos conflitos ocorridos entre árabes e judeus na região. Entenda as origens da guerra entre Israel e Hamas! 

Criação do Estado de Israel

Depois da diáspora judaica na época do Império Romano, o povo judeu migrou para várias regiões do mundo, como a Europa, a Rússia e até o Brasil. No fim do século XIX, com o crescimento do antissemitismo na Europa, os primeiros migrantes judeus voltaram para a região da Palestina, que na época se encontrava sob o domínio do Império Britânico e era habitada pelos povos árabes. 

Inscreva-se em nossa newsletter!

Receba notícias sobre os mais importantes concursos para as Forças Armadas brasileiras e informações sobre o mundo militar!

O fluxo de imigrantes aumentou ainda mais com as Grandes Guerras e a perseguição nazista. Quando a Segunda Guerra Mundial acabou e o Holocausto veio à tona, as autoridades da recém-criada ONU aprovaram a divisão da Palestina em um estado judeu e um estado árabe, em 29 de novembro de 1947.  

Em azul, a parte israelense. Em laranja, a parte árabe.

Os líderes judeus aceitaram o acordo, mas as autoridades árabes não concordaram, já que consideravam a divisão uma perda de territórios – por isso, o plano nunca foi implementado. No dia 14 de maio de 1948, foi criado o Estado de Israel, um dia antes do fim do mandato britânico na Palestina. 

Guerras e ocupação 

No entanto, um dia depois de sua criação, Israel foi atacado pelos países árabes ao redor – um prelúdio dos diversos conflitos que surgiriam nos próximos anos. 

Primeira Guerra Árabe-Israelense

No dia seguinte à criação do Estado de Israel, Egito, Jordânia, Síria e Iraque – a Liga Árabe – invadiram o novo país. O conflito durou até 1949, quando o Conselho de Segurança da ONU intermediou a assinatura de um armistício. 

Esse conflito também é conhecido como a Guerra de Independência pelos israelitas, e como “al-Nakba”, ou “a Catástrofe”, pelos árabes. 

Guerra de Suez

Insatisfeitos com a influência das forças estrangeiras em seu país, os egípcios aplicaram um golpe militar e derrubaram o governo que favorecia a Inglaterra. Dentre as novas medidas que implantaram estava a nacionalização do canal de Suez e uma reforma agrária, apoiada pela União Soviética. 

Isso preocupou a França, a Inglaterra e Israel, que dependiam do canal para o comércio de petróleo e contato com o Mar Vermelho. Assim, em 29 de outubro de 1956, Israel invadiu a península do Sinai com o apoio dos dois países europeus. No entanto, a ONU e os EUA desaprovaram a iniciativa, temendo uma retaliação da União Soviética, aliada dos egípcios. 

Quando a URSS ameaçou lançar um ataque nuclear sobre Londres e Paris, Israel e os países europeus foram obrigados a recuar. 

Guerra dos Seis Dias

As consequências da Guerra dos Seis Dias são a origem de boa parte dos conflitos envolvendo Israel nos dias de hoje. Em junho de 1967, o Egito, liderado pelo presidente Gamal Abdel Nasser, junto com a Jordânia, a Síria e o Líbano posicionaram seus exércitos nas fronteiras de Israel. 

Os árabes eram motivados por um pan-arabismo, inflamado pelos discursos de Nasser, e tinham o objetivo de destruir o Estado de Israel. Diante do conflito iminente, Israel lançou um ataque surpresa, no dia 5 de junho de 1967, sobre a Força Aérea egípcia e neutralizou os aviões antes mesmo que pudessem decolar. 

A guerra se estendeu até o dia 10 de junho e foi marcada pela vitória esmagadora de Israel nas várias frentes de batalha. Nesse processo, a Cisjordânia, a Faixa de Gaza, as colinas de Golã e a península do Sinai ficaram sob o controle de Israel, o que praticamente duplicou seu território. 

Guerra do Yom Kippur

Poucos anos depois, outro ataque do Egito e da Síria surpreendeu Israel no dia 6 de outubro de 1973, no feriado mais sagrado do calendário judaico: o Yom Kippur, ou Dia do Perdão. O conflito durou 18 dias, matou mais de 2,6 mil israelenses, 15 mil egípcios e 3,5 mil sírios. 

A ONU interviu e pediu por um cessar-fogo. Acordos entre Israel e Egito levaram ao fim do conflito, após trocas de prisioneiros e outras concessões. A Guerra do Yom Kippur levou a uma mudança de postura dos países árabes, com alguns deles tentando aproximação diplomática. 

Nos anos seguintes, o Egito reconheceu Israel como um país e os israelenses devolveram a península do Sinai para os egípcios, em 1982. No entanto, as colinas de Golã, a Faixa de Gaza e a Cisjordânia continuam sob controle de Israel. 

Palestina e o Hamas

A Faixa de Gaza e a Cisjordânia são habitadas principalmente pelos árabes mulçumanos palestinos. Vários grupos militantes começaram a surgir na Palestina depois que os países árabes vizinhos deixaram de realizar ataques diretos a Israel. O maior deles é o Hamas, um acrônimo para Movimento de Resistência Islâmica, que tem sua base na Faixa de Gaza. 

O grupo se formou em 1987 após a primeira intifada palestina, um levante contra a ocupação de Gaza e da Cisjordânia. Em seu estatuto de formação, o Hamas afirmou o compromisso de destruir Israel. O grupo é considerado uma organização terrorista por Israel, Estados Unidos, Reino Unido e outros países. 

O braço militar do Hamas é responsável pelos diversos ataques suicidas e a mísseis contra Israel nos últimos anos e foi alvo de várias operações por parte de Israel, como a Operação Pilar Defensivo (2012) e a Operação Margem Protetora (2014). Na parte política, o Hamas tem o poder da Faixa de Gaza desde 2007. 

Israel x Hamas 

O ataque que começou no sábado, dia 7 de outubro, aconteceu no aniversário da Guerra do Yom Kippur. O Hamas lançou um ataque de foguetes sobre as cidades de Tel Aviv, Rehovot, Gedera e Ashkelon, além de invadir por terra com armas e tanques outros lugares próximos à Faixa de Gaza. Um grande número de reféns foram feitos pelo grupo, inclusive com pessoas de outras nacionalidades. 

A resposta de Israel foi declarar guerra, bloquear a Faixa de Gaza e iniciar a Operação Espadas de Ferro. Além de lançar ataques aéreos, Israel também convocou 300 mil reservistas das Forças Armadas e estuda uma operação por terra na Faixa de Gaza. 

O conflito conta com grande atenção internacional. Como atual comandante do Conselho de Segurança da ONU, o Brasil foi responsável por convocar uma reunião para discutir a situação. 

Benner CTA EM

Veja também:

Referências

O Portal Estratégia Militares traz atualidades e informações sobre o Mundo Militar e as Forças Armadas Brasileiras. Clique no banner para conhecer nossa plataforma! 

Benner CTA EM

Você pode gostar também