Bombas atômicas e seu atual poder de destruição

Bombas atômicas e seu atual poder de destruição

O conflito entre Ucrânia e Rússia tem chamado a atenção de todo o mundo, principalmente pelo poderio bélico russo, considerado um dos maiores do mundo. 

O Estratégia Militares preparou um artigo que te conta um pouco mais sobre o poder de destruição das bombas atômicas do exército de Vladimir Putin, além de te deixar por dentro das principais informações da guerra!

O que é uma bomba atômica?

A bomba atômica, ou bomba nuclear, foi desenvolvida no século XX e vem sendo aperfeiçoada constantemente. Entre os principais e mais famosos cientistas que colaboraram para sua criação e seu desenvolvimento estão Albert Einstein e Robert Oppenheimer.

Esse tipo de bomba tem um grande potencial de destruição em massa. Todo esse poder existe graças à fissão (quebra) simultânea de vários núcleos atômicos contidos dentro de uma ogiva. 

Tal fenômeno libera uma energia gigantesca, capaz de atingir quilômetros além do epicentro de sua detonação, levando intenso calor, radioatividade e gerando sequelas praticamente irreparáveis.

As bombas de Hiroshima e Nagasaki

Até hoje, somente os Estados Unidos da América usou seu poderio nuclear em conflitos. No contexto da Segunda Guerra Mundial, os norte-americanos detonaram as bombas apelidadas Little Boy e Fat Man, nas cidades de Hiroshima e Nagasaki, no Japão, entre os dias 6 e 9 de agosto do ano de 1945. 

Elas foram utilizadas como resposta ao ataque japonês à base naval americana Pearl Harbour, no Havaí. Além disso, os americanos queriam forçar a rendição japonesa para não ter que invadir o território inimigo por terra.

Os efeitos de ambas as detonações foram devastadores. A estimativa é que tenham ocorrido um total de 120 mil mortes imediatas, com as pessoas sendo vaporizadas. Ainda foi possível encontrar a forma delas impressas nas paredes.

Posteriormente, ocorreram várias mortes de pessoas que estavam mais distantes do local de detonação da bomba, devido ao contato que tiveram com a radiação. Esse problema também fez com que as futuras gerações nascidas no local viessem ao mundo com diversos problemas de saúde. 

Quais países possuem bombas atômicas?

Possuir bombas atômicas nos dias atuais representa poder perante outros países e, por isso, muitos investem nessa tecnologia. Atualmente, as nações que dispõem de ogivas nucleares são:

  • Rússia: segundo estimativas é o país com o maior arsenal nuclear do mundo;
  • EUA: bem próximo dos russos, os norte-americanos possuem o segundo maior número de ogivas no mundo;
  • China;
  • França;
  • Reino Unido;
  • Paquistão;
  • Índia;
  • Israel; e
  • Coreia do Norte.

Vale ressaltar que se tratam de estimativas e o ranking pode não ser exatamente esse, já que os países não divulgam esses dados.

O Brasil, apesar de dispor da tecnologia necessária, não possui bombas nucleares graças à assinatura do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP), que passou a vigorar no mundo no ano de 1970. 

Esse tratado conta com a participação de 189 países até o momento e tem o intuito de impedir a proliferação da tecnologia usada para o desenvolvimento de armas nucleares.

O conflito Rússia x Ucrânia e o poderio nuclear russo

A guerra entre Ucrânia e Rússia têm deixado o mundo em alerta  justamente pelo fato do exército de Vladimir Putin possuir, segundo estimativas, o maior arsenal atômico do mundo, com cerca de 6 mil ogivas.

Bombas Atômicas

Para se ter uma ideia, a União Soviética detonou a chamada “Tsar Bomb” em testes realizados no ano de 1961. Nesse evento, foi detectado que a bomba possui uma capacidade de destruição comparada à detonação de 50 milhões de toneladas de dinamite. 

Tudo isso, gera um estrago 3 mil vezes maior do que as bombas detonadas pelos EUA na Segunda Guerra Mundial. Sendo assim, a “Tsar bomb” é considerada a mais potente arma nuclear já detonada.

Essa bomba e toda a tecnologia desenvolvida pela União Soviética ficou sob poder dos russos após o fim do antigo país. Além de dispor de todo esse arsenal destrutivo, a Rússia colocou todo seu poderio em estado de alerta para que esteja pronto para ser usado a qualquer momento durante a guerra contra a Ucrânia.

A assustadora guerra que tem chocado o mundo e já matou milhares de ucranianos passa por momentos de tensão e de negociação entre os países, para que se tenha um desfecho o mais breve possível. 

Outras nações influentes, como EUA e países da Europa, estão pressionando a Rússia de várias formas para que ela pare de atacar. 

Um prognóstico de alívio em meio a toda essa tensão é que apesar dos bilhões de dólares investidos em seus arsenais militares, é importante dizer que é bem pouco provável que, nos dias atuais, haja alguma guerra nuclear entre as nações possuidoras dessa tecnologia, tendo em vista que isso resultaria em uma destruição global.

Se você não quer perder nenhuma notícia relacionada a esse conflito, além de várias outras sobre o mundo militar, inscreva-se na nossa newsletter!

É importante frisar que todas as notícias trazidas pela equipe do Estratégia Militares são de grande importância para os concurseiros militares, já que todos esses eventos e aspectos do conflito podem ser instrumento de cobrança nas redações dos certames, não só deste ano mas também dos seguintes.

Caso você esteja se preparando, não deixe de conferir nosso Banco de Questões. Clique no banner abaixo e confira!

EM BANNER PORTAL

Você pode gostar também